As emoções, quer sejam positivas ou negativas, parecem estimular ações muito poderosas, tendo grande importância nas nossas vidas. Elas também ajudam a organizar as experiências vividas e tendem a colorir a percepção que temos de nós e dos outros. As emoções não só guiam como estimulam as nossas ações. Às vezes, as pessoas ficam desesperadas por não encontrar alívio para o controle negativo exercido por elas, esvaziando as suas energias e limitando seu o potencial. Mas não deve ser assim. Elas podem ser a fonte das mudanças, da inovação e da satisfação. Podemos aprender a compreender a linguagem das emoções e seguir a sua indicação para encontrarmos o caminho do mundo almejado, que já está a nossa espera.

A maioria das pessoas não julga possível, ou até mesmo desejável, apreciar e usufruir as emoções. E poucas se dão conta de que a chave para conquistar qualquer resultado encontra-se nelas. Cada emoção é uma “charada” ligeiramente diferente que traz, dentro de si, as pistas de como tirar proveito dela. Como essas dicas não vêm numa forma evidente, temos que parar, observar e entender o que está por traz de cada manifestação.

Ajudo muitas pessoas a enfrentarem basicamente a mesma situação: o sentimento de que não tinham, ou não têm, outra escolha a não ser agirem de uma determinada maneira em uma situação específica. Sabem que existem outras formas de proceder, mas não conseguem transformar essas possibilidades numa realidade concreta. Desejam profundamente mudar, mas, invariavelmente, voltam a ter as mesmas reações com as quais estavam habituadas.

Se perguntamos a alguém o que ele realmente deseja para si, essa pessoa com certeza indicaria emoções que produzam o estado mental de felicidade, paz, alegria, coragem, perseverança, entusiasmo e confiança – emoções que parecem inatingíveis, pelo menos em muitas situações. Certamente, muitas pessoas também gostariam de esquiar, ser pontuais, ou encontrar um emprego melhor, mas até esses objetivos dependem de mudanças em nível emocional. Por exemplo: Eliminar o medo, para ser capaz de esquiar; sentir-se responsável, para ser mais pontual; sentir-se confiante, como um catalisador, para encontrar um emprego melhor.

Às vezes, as emoções não correspondem àquilo que gostaríamos de estar sentindo em determinados momentos, outras vezes nosso comportamento é o resultado delas. Ser capaz de influenciar as emoções pode ter consequências admiráveis na capacidade de mudar a maneira de interagir com o mundo. Os ensinamentos do Buda falam sobre evitar o sofrimento, através do controle das emoções, aprender a se iluminar e a se desapegar dos objetos que produziam emoções limitantes.

Existem três maneiras pelas quais as pessoas demonstram falta de capacidade de escolha emocional. A primeira: Elas reagem de maneira consistente e crônica a situações cotidianas com sentimentos de insatisfação, desânimo, vergonha, desespero, raiva ou frustração. Para algumas pessoas, as notícias do jornal, um erro no computador, um esquecimento, são motivos para emoções incapacitadoras. Segunda: Não ter um modo satisfatório de lidar com as emoções que acham intoleráveis, como a timidez, solidão, insatisfação, o medo e a culpa. Geralmente, as pessoas tentam escapar dessas emoções através da fuga, da violência, ou usando e abusando de substâncias tóxicas. Terceira: Muita gente acredita que é errado sentir desejo, inveja, raiva ou irritação. Por causa dessa crença, quando elas sentem algumas dessas emoções, se enxergam mergulhadas em sentimentos de vergonha ou culpa.

O maior atributo para lidar com a variedade de emoções e se beneficiar com todas elas é transformá-las em guias apurados que sinalizam o que precisa ser entendido, para que uma nova ordem mental possa ser instalada e emoções mais produtivas possam levar a comportamentos mais criativos e escolhas mais acertadas. Precisamos aprender a desenvolver um processo de conscientização, ou seja: Tomar consciência do que cada emoção está sinalizando, depois interromper o padrão mental com perguntas de qualidade e, por fim, se dispor a ações mentais conscientes para alterar o estado emocional inicial.

Todos os Encontros de Educação Emocional do método do Movimento Perfeito têm esta intenção. Os temas abordados são inspirados em situações comuns do cotidiano, levando à reflexão. A intenção é fazer com que, com uma percepção mais ampliada do que ocorre na sua mente e no seu cérebro, você possa gradativamente produzir um processo de conscientização que o levará a resultados cada vez mais controlados e decididos por sua consciência e não por emoções desordenadas. Viva a filosofia do MP e aprenda a usar a ferramenta fundamental para constante evolução: O entendimento e controle das suas emoções.

 

ASS ROSALIA

 

Rosalia Schwark
Psicóloga Especialista em Neurociência
Criadora do Método Movimento Perfeito

Deixar seu Comentário

Comentar