A sua história pobre foi…

Estava a dez meses desempregado, voltou a morar com os pais. Todos os dias sofria a pressão de fazer alguma coisa para sair daquela situação, sua mãe fazia questão de contar como suas amigas estavam orgulhosas dos filhos bem colocados no mercado. Seus amigos postavam fotos incríveis de quem parecia ter obtido tudo de bom na vida. Olhava para sua própria vida e achava um tédio. Olhava para seus resultados e se achava um fracasso.

Não ter o que se quer ou estar vivendo a perda de algo que se teve, já é complicado por si só, agora quando adicionamos o processo de comparação, acabamos com o nosso respeito por nós mesmos.

A situação fica ainda mais dolorosa e demoramos mais para sair dela, porque na hora que precisamos sentir mais valor interno, para obter a valorização externa do mundo, retiramos de nós mesmos , o mais importante ingrediente – nosso amor próprio.

A sua solução rica foi…

Tomar consciência que o seu valor interno era o motor para trazer para sua vida qualquer valor externo.
A cada exemplo de sucesso externo, sua atitude passou a ser de INSPIRAÇÃO e POSSIBILIDADES.
O que um outro pode ter, eu também posso.

O novo emprego foi a consequência de transmitir mais auto-respeito. O mundo devolveu na mesma moeda.

Alguém que se diz perfeito. Não é bem assim.
Alguém que se diz imperfeito. Também não é bem assim.
Perfeição é ser você mesmo e ainda ter espaço para ser bem melhor.

ASS ROSALIA

 

Rosalia Schwark
Psicóloga Especialista em Neurociência
Criadora do Método Movimento Perfeito

 

Deixar seu Comentário

Comentar